sábado, 14 de março de 2009

Colaboração através de redes sociais

Vem emergindo uma força muito poderosa que poucos têm se dado conta.
Trata-se de uma mudança disruptiva (vem surgindo por baixo e rompe-se quando menos esperamos) conforme a teoria de Clayton Christensen.
Estou falando do poder das redes sociais viabilizadas pela Internet e determinantes dos novos rumos para o que conhecemos sobre mercado, produção, cadeia de valor, governos, etc.
Um exemplo bem tradicional e conhecido por muitos é o caso do Linux e demais softwares de código aberto. Mas, vamos a outros pequenos exemplos bem mais próximos do público em geral e que configuram um mosaico de transformações de impacto para um futuro, talvez bem breve:
· Clientes compram produtos a partir das referências deixadas por outros clientes;
· Clientes vendem os produtos usados que têm em casa através das mesmas lojas virtuais que fornecem produtos novos. Ou seja, a loja se abre para permitir que o cliente também seja um fornecedor;
· Fornecedores fazem torneios de idéias e sugestões do público para mudanças ou inovações em seus produtos (ou até para produtos completamente novos), remunerando, premiando ou criando privilégios para os escolhidos;
· Pessoas das mais variadas nações e lugares se unem para resolver um problema de negócios ou opinar sobre alguma decisão importante;
· Gente emprestando dinheiro a quem precisa a partir de solicitações pela web.
Bem. São pequenos exemplos sobre como podemos ser mais efetivos quando pensamos e agimos em conjunto.
Talvez ainda demore para essa consciência ser predominante, mas tudo está evoluindo muito rápido. Para maiores referências, buscar o livro “Nós somos mais inteligentes do que Eu”, por sinal, escrito por uma legião de milhares de autores. Vale a pena conferir.

sexta-feira, 13 de março de 2009

Uma questão de procedimento

Tenho 5 linhas de celular. Explico. A minha linha pessoal foi retirada de um plano empresarial e virou pré-paga. A linha da minha esposa está em meu nome e tem ainda 3 chips pré-pagos com cada um dos filhos adolescentes. Sendo que dois deles mudaram de operadora recentemente.
Visitei a loja da operadora solicitando transformar a minha linha pessoal em celular de conta - que parece ser o maior objetivo das operadoras.
Para minha surpresa, fui informado que a mudança não seria possível porque eu já dispunha de muitas linhas sob o meu CPF. Tentei explicar que eu não estava solicitando uma nova linha, mas apenas passar a ser cliente de conta (pós-pago). Não teve jeito.
Então, solicitei que as duas linhas pré-pagas que estavam fora de uso (aqueles que mudaram de operadora) fossem canceladas. Para minha surpresa, recebi mais uma negativa. Disseram que eu teria que esperar completar 3 meses sem uso ou arranjar alguém interessado nas linhas para fazer mudança de titularidade.
Ou seja, eu queria me tornar um cliente ideal para a operadora (cliente de conta), mas a própria operadora não permite. "- É uma questão de procedimentos, Sr.", disse-me a atendente.